Upclick careers and job opportunities

POLÍTICA DE DIREITOS
DE SUJEITO DE DADOS

Última modificação: 11 de julho de 2018.

POLÍTICA DE DIREITOS DE SUJEITO DE DADOS

Última modificação: 11 de julho de 2018

A UpClick Limited ("Companhia" ou "nós") valoriza os direitos de nossos clientes, parceiros, fornecedores, vendedores e outros residentes da União Europeia que, de acordo com o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados da UE ("RGPD"). ), estão autorizados a fazer certas solicitações relativas ao nosso processamento de dados pessoais. Esta política de direitos dos titulares de dados ("Política") deve fornecer um resumo dos direitos que você tem ao processar seus dados pessoais.
Recomendamos que você revise esta política e, se decidir enviar uma inscrição, entre em contato conosco por e-mail: compliance@upclick.com ou entre em contato com o nosso Diretor de Proteção de Dados em: dpo@upclick.com e nos informe que você deseja exercer o seu direito de acesse e especifique quais informações pessoais você gostaria de receber.

O direito à informação básica

Os titulares de dados têm o direito de entender quem são a empresa e suas subsidiárias e por que e como processam dados pessoais. O direito à informação básica inclui, mas não se limita a, o direito de conhecer a identidade do responsável pelo tratamento, as razões e os motivos para o processamento de dados pessoais e quaisquer outras informações necessárias para garantir um tratamento justo e transparente dos dados pessoais. Esta informação também está disponível em: https://www.upclick.com/privacy_pt.html

O direito de acesso ("Acesso do sujeito")

Os titulares de dados têm o direito de obter confirmação da Empresa de que processam determinados dados pessoais relacionados com o titular dos dados e o direito de obter uma cópia desta informação, bem como outros detalhes sobre como e por que a empresa usa informações de sujeito de dados. Uma vez que a veracidade e relevância de uma solicitação de acesso seja afirmativamente determinada pela Empresa, forneceremos, dentro do prazo exigido por lei, entre outras coisas, uma descrição dos dados pessoais e das categorias de dados processados, a finalidade em que estes dados são armazenados e processados, e detalhes da origem dos dados pessoais, se não forem fornecidos pelo titular dos dados.

O direito de retificação

A empresa deve garantir que todos os dados pessoais que detém e usa sobre um sujeito de dados estão corretos. Se esses dados não forem precisos, o titular dos dados tem o direito de exigir que a empresa atualize esses dados para que sejam precisos. Além disso, se a Empresa tiver transmitido informações incorretas sobre os sujeitos de dados a terceiros, o titular dos dados também terá o direito de exigir que a Empresa informe tais terceiros de que tais informações devem ser atualizadas.

O direito de apagar ("O direito de ser esquecido")

Os titulares dos dados têm o direito de exigir que a Empresa elimine certos dados pessoais se forem cumpridas condições especiais. A Companhia é legalmente obrigada a responder a uma solicitação de exclusão de dados pessoais se: os dados não forem mais necessários para o propósito original e não houver uma nova finalidade legal para continuar o processamento; a base legal do tratamento é o consentimento da pessoa em causa e este consentimento é retirado; o titular dos dados exerce o seu direito de se opor ao processamento dos dados pessoais da Empresa e a Empresa não tem razões imperiosas para processar os dados; dados pessoais são processados ilegalmente; ou o apagamento dos dados é necessário para cumprir as leis aplicáveis. Além disso, se a Empresa tiver transmitido dados pessoais a terceiros, o titular dos dados também tem o direito de exigir que a Empresa informe a esses terceiros que as informações devem ser apagadas. O direito de apagar não é absoluto. Mesmo que uma pessoa envolvida se enquadre em uma das categorias descritas acima, a Empresa tem o direito de rejeitar a solicitação do titular dos dados e continuar processando os dados se tal tratamento for: necessário para cumprir as obrigações legais; necessário estabelecer, exercer ou defender processos judiciais; ou é necessário para uso científico, etc. todos sujeitos às leis aplicáveis.

O direito de objetar

Caso a Empresa processe dados pessoais com base no fato de que é de seu interesse legítimo fazê-lo (ou seja, marketing direto), o titular dos dados tem o direito de se opor ao nosso processamento por tais motivos. Não obstante o recebimento de tal objeção, a Empresa terá permissão para continuar processando os dados pessoais de um titular de dados se: a Empresa tiver motivos legítimos para processar as informações que se sobreponham aos direitos, interesses e liberdades do titular dos dados; os dados são necessários para estabelecer, exercer ou defender uma reivindicação legal ou direito, etc., todos sujeitos às leis e regulamentos aplicáveis.

O direito de restrição

Um titular de dados pode limitar as finalidades para as quais a Empresa pode processar seus dados pessoais. As atividades de processamento da empresa podem ser restritas se: a precisão dos dados for contestada; o tratamento é ilegal e a pessoa em causa solicita uma restrição em vez da supressão; a empresa não precisa mais de dados para sua finalidade original, mas os dados ainda são necessários para estabelecer, exercer ou defender os direitos legais; ou tendo em conta razões imperiosas no contexto de um pedido de apagamento.

O direito da portabilidade de dados

Um titular de dados pode solicitar que a Empresa envie ou "transfira" seus dados pessoais para outra entidade. Os direitos de portabilidade só se aplicam se os dados em questão tiverem sido fornecidos pelo titular de dados à Empresa, processados automaticamente e processados com base legal no consentimento ou execução de um contrato.

O direito de se opor ao marketing direto

Se a Empresa lhe enviar comunicações de marketing por e-mail ou outros meios eletrônicos, a pessoa afetada tem o direito de exigir que a Empresa pare de enviar tais comunicações.